Avançar para o conteúdo principal

"12 Years a Slave"

 
Baseado numa histórica verídica, 12 anos de escravidão, foi o filme que hoje me levou à sala de cinema, no 1º fim de semana deste ano. O meu 1º filme do ano, marcante, na plena consciência que aquela era uma história real, sobre um dos períodos mais vergonhoso da História dos Estados Unidos: A Escravidão Negra (do séc XVII ao Séc. XIX). A lei definitiva acerca da discriminação só veio em 1964!
Ao pesquisar uma foto na net para enquadrar o  post que me propunha escrever, encontrei esta critica de Roni Nunes . Após lê-la fiquei sem palavras para acrescentar algo mais. Expressa a essência e enfoque da obra de Steve McQueen, fiel representação da escravatura, uma das maiores atrocidades que o ser humano infligiu ao seu semelhante. A perda de liberdade, de identidade, de privacidade, de dignidade e as consequências psicológicas desta violência no ser humano. Na  cena das chicotadas fechei os olhos porque o coração sente mas o olhar não suporta a crueza da realidade.

Na ausência de palavras, passo a transcrever: 


"Nunca a escravatura terá sido objeto de um esforço tão metódico em reproduzir com tamanha secura a sua brutalidade intrínseca. Sob esse prisma, não admira que esta obra de Steve McQueen, que já se havia dedicado a um processo intimista de decadência com Vergonha, esteja a causar impacte nos Estados Unidos. A violência psicológica alcançada aqui faz o gore fanfarrão de Tarantino (Django Libertado) parecer uma brincadeira.

Solomon (Chiwetel Ejiofor) é um homem livre com família que, quase sem dar por isso, é raptado da Nova Iorque liberal e atirado para o sul esclavagista, onde vai testemunhar e sofrer todo o tipo de atrocidades. E aqui McQueen não poupa na ementa: para além dos espancamentos recorrentes e das torturas físicas, a preocupação do cineasta desdobra-se num cuidado quase sádico (não fosse uma interpretação verossímil da realidade) no sentido de reproduzir na sua essência as consequências psicológicas de um ser humano reduzido à uma mercadoria. Para além de filhos separados das mães por razões comerciais, os negros também estão desprovidos de qualquer direito à identidade, à privacidade, ao pudor e até mesmo ao luto dos entes queridos.

Um dos aspetos notórios é que, após os primeiros minutos, quando o plano da hélice de um barco simboliza a entrada de Solomon na tempestade, até os minutos de resolução do conflito, não há uma curva ascendente/descendente de tensão: 12 Anos Escravo decorre em frente ao espectador como se fosse um longo travelling lateral, onde a crueldade inerente ao quotidiano de uma casa senhorial do século XIX sulista é descrito de forma impiedosa em toda a sua ausência de compaixão ("a minha compaixão cabe na face de uma moeda", diz uma personagem). Essa dimensão de sufoco, onde não são concedidas saídas a personagens entregues à própria sorte, é acrescida pela ausência de situação da história no tempo, entregando o espectador à sensação de um longo pesadelo sem fim à vista.

Em termos de realismo, o mérito do esforço de McQueen é inegável, concedendo um retrato de tal forma incisivo que serve bem para lembrar aos racistas modernos o verdadeiro significado do etnocentrismo. Por outro lado, a excessiva linearidade do relato torna-o próximo do requinte de morbidez da arthouse do qual o cineasta de Vergonha parece tributário – como demonstra uma longa cena de espancamento com pormenores "à Paixão de Cristo" que o realizador espeta no espectador depois de duas horas de tormentos. Na sua conclusão, fica a braços com um final cuja natureza emocional seria muito difícil de resgatar – o que acaba por tentar sem grande imaginação.
O Melhor: uma recriação bastante verossímil de um estado de submissão escrava

O Pior: a excessiva linearidade do quadro, que torna o filme por vezes arrastado."

Comentários

Mensagens populares deste blogue

BIQUINI e bomba atómica

A criação do biquíni é disputada por dois estilistas franceses: primeiro, Jacques Heim apresentou o "átomo" como "o menor maiô do mundo"; em seguida, Louis Réard mostrou o "bikini, menor que o menor maiô do mundo" e ficou com a fama do criador da peça. O biquíni é a invenção mais importante deste século (20), depois da bomba atômica. Diana Vreeland (1903-1989). Não fazia ideia mas na realidade a invenção do biquini está relacionada com a bomba atómica. O nome biquíni deriva do  atol Bikini, um atol do Pacifico onde se deu, em 5 de Julho de 1946 uma explosão atómica experimental que dividiu o atol em duas partes. Para que os médicos americanos pudessem examinar as pessoas, que estavam completamente nuas, já que a radiação havia destruído suas roupas, os militares usaram folhas de exemplares velhos do jornal The New York Times para cobrir pelo menos as partes íntimas dos doentes, e a este acontecimento remonta a invenção do biquini. Assim, pret

REGRESSO ÀS SANDÁLIAS

... neste dia quente de final de outubro as minhas queridas  Lollipops não podiam ficar em casa, certo? este verão tardio chama por sandálias a calçar os pés com unhas pintadas. Em modo PINK saímos hoje à rua, juntas e felizes !!!