Avançar para o conteúdo principal

O medo de PERDER QUEM AMAMOS


Há algum tempo que leio as escritas e divagações da  escriva mas hoje este post "bateu-me". talvez, porque , de acordo com o post e fruto da idade já me situe naquela fase da vida em que o medo de perder quem amamos é grande! De facto o medo muda consoante as idades da vida. O que importa mesmo não é o medo mas a forma como reagimos ao mesmo.


"O medo é uma sensação que nasce connosco e que vai ganhando vários rostos ao longo da vida. Ainda muito pequenos o colo dos pais serve-nos de amparo para todos os males e o choro como a arma que nos permite pedi-lo. Depois, com a infância, somos levados a perder medos, que temos sempre e que por vezes não dizemos para os coleguinhas não nos apontarem o dedo. O medo do escuro, o medo do lobo mau. Quem não teve um arrepiozinho de medo, a vontade de fugir para o quarto dos pais, que atire a primeira pedra. Somos levados a mostrar que já somos grandes e que já não temos medo destas coisas.

Na adolescência, parece que não temos medo de nada, somos capazes de enfrentar tudo, quebrar todas as regras. Mas, depois, afinal, não é nada disso. Temos um medo terrível de não sermos aceites, queremos o conforto de um grupo a todo o custo. Temos medo de ser diferentes.

Com o avançar da idade, o ganho de confiança e auto-estima, poderiamos pensar que esta coisa do medo passa. Inevitavelmente, é cada vez pior, tomamos consciência das coisas que nos importam muito, temos um medo aflitivo de as perder. Pensamos nos que amamos e a partir daí o medo nunca mais nos larga. Porque tendo o coração cheio, estaremos para sempre preocupados. Percebemos finalmente aquilo que as nossas mães nos dizem. A preocupação é o rosto do medo de quem tem o coração cheio de amor.

Depois, há os que perdem o medo, em definitivo, porque não têm nada a perder, porque a vida foi um desastre só. Falarei disso noutra altura." AQUI

Comentários

Mensagens populares deste blogue

BIQUINI e bomba atómica

A criação do biquíni é disputada por dois estilistas franceses: primeiro, Jacques Heim apresentou o "átomo" como "o menor maiô do mundo"; em seguida, Louis Réard mostrou o "bikini, menor que o menor maiô do mundo" e ficou com a fama do criador da peça. O biquíni é a invenção mais importante deste século (20), depois da bomba atômica. Diana Vreeland (1903-1989). Não fazia ideia mas na realidade a invenção do biquini está relacionada com a bomba atómica. O nome biquíni deriva do  atol Bikini, um atol do Pacifico onde se deu, em 5 de Julho de 1946 uma explosão atómica experimental que dividiu o atol em duas partes. Para que os médicos americanos pudessem examinar as pessoas, que estavam completamente nuas, já que a radiação havia destruído suas roupas, os militares usaram folhas de exemplares velhos do jornal The New York Times para cobrir pelo menos as partes íntimas dos doentes, e a este acontecimento remonta a invenção do biquini. Assim, pret

REGRESSO ÀS SANDÁLIAS

... neste dia quente de final de outubro as minhas queridas  Lollipops não podiam ficar em casa, certo? este verão tardio chama por sandálias a calçar os pés com unhas pintadas. Em modo PINK saímos hoje à rua, juntas e felizes !!!

21 Coisas Que As Pessoas Criativas Fazem Diferente Das Outras |

1 – Inspiram-se quando menos se espera  Nunca sabem quando a próxima grande ideia chegará. Ela apenas chegará, da maneira menos esperada e no momento menos esperado. 2 – Sonham o tempo inteiro Elas estão aqui, mas não estão. Durante uma conversa podem viajar a qualquer momento. É normal, não se zangue com elas. 3 – Ficam aborrecidas facilmente Precisam  sempre  de um estímulo para manterem-se ativas. Elas não irão focar-se naquilo que não gostam, você pode chamar de TDAH ou qualquer coisa, mas isso é apenas parte de sua genialidade. 4 – Observam o mundo com os olhos de uma criança Observar o mundo como uma criança pode ser, muitas vezes, a chave do  sucesso . 5 – Também falham, mas não desistem, pelo contrário irão tentar novamente A vida não é fácil para ninguém, nem menos para as pessoas criativas. Falhas e quedas são inevitáveis, mas somos nós que decidimos se seremos derrotados ou se utilizaremos o obstáculo para nos fortalecermos ainda mais. As