Avançar para o conteúdo principal

O Auto da Feiticeira Cotovia

Assitir, melhor dizendo, fazer quase parte da peça o Auto da Feiticeira Cotovia, pelo Teatro o Grito, foi sem dúvida o momento alto do meu fim de semana diversificado.


O"Auto da Feiticeira Cotovia", é um espetáculo de rua construído a partir do poema dramático "Comunicação", escrito, em 1959, por Natália Correia, uma das mais inquietas figuras artísticas do Portugal de então. Nele, assistimos ao processo inquisitorial movido contra uma mulher que, no final, é condenada a morrer na fogueira pela prática de uma estranha e perigosa magia: a Poesia.

Mas o processo inquisitorial não decorre num cenário qualquer, não! Decorre nada mais nada menos  que nos misteriosos jardins da Quinta da Regaleira que nos envolvem no enredo e dão vida à magia poética de um texto, dificil, mas lindissimo e muito atual .

O melhor mesmo é ir ver "ao vivo e a cores" guiados pelos atores para os diferentes locais onde vivemos, sentimos as emoções e ouvimos o verbo incendiário da Feiticeira Cotovia.

Para saber mais não perca as narrativas da blogger Armazém de Ideias Ilimitada que nos desafia, e muito bem,  para estas andanças!


Logo à chegada a captar o ambiente:






Ainda sem saber o que vai acontecer;


 A não perder:





FICHA TÉCNICA
Texto: Natália Correia | Elenco: Ana Brilha, Ana Califórnia, Ana Rodrigues, Carla Silva, Fernando Rebelo, Guru, Jefferson Oliveira, João Vasco Henriques, José Vaz, Pedro Bernardino, Rodrigo Carril e Sofia Raposo | Músicos: Associação Gaita de Foles | Encenação: Anabela Neves | Ambientes Cénicos e Grafismo: Carlos João e Jorge Xavier | Figurinos: Rita Álvares Pereira | Confeção de Figurinos: Filomena Almeida | Caraterização: Graça Neves | Produção: Ana Rodrigues, Carlos João, Cláudia Inglês e Nuno Nascimento

Comentários

Nem mais! Muito bem dito =)
Trabalho excelente pelo Grupo de Teatro "O Grito"!
Bjs
Nem mais! Muito bem dito =)
Trabalho excelente pelo Grupo de Teatro "O Grito"!
Bjs

Mensagens populares deste blogue

REVOLUÇÃO DOS CRAVOS

O golpe de estado militar do dia 25 de Abril de 1974 derrubou, num só dia, o regime político que vigorava em Portugal desde 1926, sem grande resistência das forças leais ao governo, que cederam perante a revolta das forças armadas. Este levantamento é conhecido por Dia D, 25 de Abril ou Revolução dos Cravos. O levantamento foi conduzido pelos oficiais intermédios da hierarquia militar (o MFA), na sua maior parte capitães que tinham participado na Guerra Colonial. Considera-se, em termos gerais, que esta revolução trouxe a liberdade ao povo português (denominando-se "Dia da Liberdade" o feriado instituído em Portugal para comemorar a revolução). Movimentações militares durante a Revolução No dia 24 de Abril de 1974, um grupo de militares comandados por Otelo Saraiva de Carvalho instalou secretamente o posto de comando do movimento golpista no quartel da Pontinha, em Lisboa. Às 22h 55m é transmitida a canção ”E depois do Adeus”, de Paulo de Carvalho, pelos

WALL PAPER

apenas um apontamento... enquanto o projeto de remodelação pacientemente aguarda dias melhores e ... rápida convalescença das meninas cá de casa !!!!! Foto : reprodução

UMA PAUSA

para degustar uma excelente tosta de salmão!