Avançar para o conteúdo principal

"PROMETO QUE É A ÚLTIMA VEZ"


Exibindo Convite_Prometoqueeultimavez.jpg

Numa tarde de chuva, encontro a Ana à porta da Livraria Desassossego. Um encontro caloroso e bom. O nervoso miudinho é abraçado pela alegria de poder partilhar este momento tão especial e marcante para a vida da Autora: o lançamento do livro "Prometo que é a última vez". O meu entusiasmo cresce ao transpor a entrada do prédio pombalino e ser acolhida pela luz quente e vermelha que incide nas estantes metálicas cobertas de livros. Sinto-me em casa! 

A livraria Desassossego lembra o cenário de  um filme, perfeito para o lançamento do livro "Prometo que é a última vez", de Ana Brilha. 

A Sala cheia bebe as palavras da Professora Doutora Tereza Pizarro Beleza que, de forma solta e fascinante, nos conta "histórias" que se encadeiam umas sobre as outras, sempre com um denominador comum: o ponto de vista jurídico, pois é o Direito, a matéria que enquadra a trama deste trillher.  

As horas passaram sem quase dar conta, porque a voz descontraída da Professora me fez viajar pelo pensamento jurídico, sentindo-me numa verdadeira "sala de Aula"da Faculdade de Direito. Aprendi tanto nestas escassas duas horas! Aguçou-me, ainda mais, a curiosidade para ler o livro. Um livro que não é apenas um romance! e... não deve ser lido como um romance! Um livro que questiona.

Porque é que o ser humano mata?
Porque é que os animais não têm alma?

Um livro que não nos dá respostas mas leva-nos a pensar! Uma reflexão que "transporta-nos para a vida íntima do Ser, com as suas questões, medos e idiossincrasias, procurando a justificação última da psicopatia intolerável do atentado contra a vida e a psicanálise do agressor numa perspetiva humana e tolerante."


 Sobre a Autora:
Ana Brilha nasceu em Cascais, em 1979. Licenciou-se em Direito no ano de 2004 pela Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, vindo a concluir em 2008 o Mestrado em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.
Foi docente de Direito do Instituto Superior de Novas Profissões de 2004 a 2009, tendo ainda lecionado Língua Portuguesa na Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa de 2010 a 2013.
Em 2007 foi galardoada com o Prémio literário da Ordem dos Advogados, que mereceu a publicação da obra “Memórias de um corvo” pela Sopa de Letras, chancela da Principia.
Os seus contos esparsos receberam ainda, anualmente, de 2008 a 2010, menção honrosa no concurso literário dos Jogos florais de Avis.
Em 2008 publica a sua primeira incursão na poesia “Aurora” e o seu segundo romance “Diário de uma paixão monologada”.
Em 2010 publica o seu terceiro romance "Ear' Quessir - O guardião da espada" e em 2011 um projeto coletivo em parceria com 7 autores na modalidade conto, coletânea que veio a chamar-se “Contos de agora e de outrora”.
Em 2011 publica ainda o seu segundo livro de poesia "Cartas da Província de Akashi" (edição de autor).
Em 2012 publica o seu terceiro livro de poesia "A apologia do silêncio" (edição de autor).
(Intermiências da escrita. wordpress.com)


Sobre o local do evento:
«A maioria das paredes está coberta de estantes metálicas recheadas de livros, mas sempre próximas de mesas rodeadas de cadeiras, poltronas ou sofás, que convidam a sentar e a conviver como em qualquer outro bar ou café. (…)
Quis o destino que o prédio pombalino se situasse mesmo em frente a uma casa onde Fernando Pessoa morou durante um ano. O nome Desassossego tinha surgido em brainstorming, “ficou decidido” pela coincidência.
“É uma menção óbvia, natural ao livro de Fernando Pessoa, à sua obra e à nossa identidade enquanto escritores e artistas, mas é também uma palavra semanticamente muito rica e na qual nós identificámos quase tudo o que associamos à forma como pensamos o livro, quem cria, quem escreve e este nosso conceito de bar literário”, explica Filipe Costa. (…)»


- Sobre a editora:
“A Chiado Editora é especializada na publicação de autores portugueses e brasileiros contemporâneos, sendo neste momento a maior editora em Portugal neste segmento, e uma das editoras em maior crescimento no Brasil. Em pouco mais de quatro anos de existência, a Chiado Editora revolucionou o mercado do livro em língua portuguesa, editando mais de 1000 novos títulos por ano! Em virtude dos métodos inovadores de produção e distribuição que desenvolvemos, todos os livros publicados pela Chiado Editora estão, a todo o momento, disponíveis para todos os Leitores, nas maiores redes livreiras de Portugal e do Brasil.
A política editorial seguida pela Chiado Editora visa democratizar o mundo editorial, gerando as melhores oportunidades para os Autores, e oferecendo aos Leitores excelentes obras, de variadíssimos géneros, a um preço justo e sem preconceitos.
Dado o sucesso conquistado em Portugal e no Brasil, a Chiado Editora expandiu o seu trabalho para vários países, em várias línguas diferentes. Poderá descobrir as obras publicadas pelas nossas divisões internacionais através dos seus websites. A Chiado Editora publica igualmente na Alemanha, Angola, Bélgica, Cabo-Verde, Espanha, Estados Unidos da America, França, Luxemburgo, Irlanda e Reino Unido. (…)”



Comentários

Mensagens populares deste blogue

BIQUINI e bomba atómica

A criação do biquíni é disputada por dois estilistas franceses: primeiro, Jacques Heim apresentou o "átomo" como "o menor maiô do mundo"; em seguida, Louis Réard mostrou o "bikini, menor que o menor maiô do mundo" e ficou com a fama do criador da peça. O biquíni é a invenção mais importante deste século (20), depois da bomba atômica. Diana Vreeland (1903-1989). Não fazia ideia mas na realidade a invenção do biquini está relacionada com a bomba atómica. O nome biquíni deriva do  atol Bikini, um atol do Pacifico onde se deu, em 5 de Julho de 1946 uma explosão atómica experimental que dividiu o atol em duas partes. Para que os médicos americanos pudessem examinar as pessoas, que estavam completamente nuas, já que a radiação havia destruído suas roupas, os militares usaram folhas de exemplares velhos do jornal The New York Times para cobrir pelo menos as partes íntimas dos doentes, e a este acontecimento remonta a invenção do biquini. Assim, pret

REGRESSO ÀS SANDÁLIAS

... neste dia quente de final de outubro as minhas queridas  Lollipops não podiam ficar em casa, certo? este verão tardio chama por sandálias a calçar os pés com unhas pintadas. Em modo PINK saímos hoje à rua, juntas e felizes !!!

21 Coisas Que As Pessoas Criativas Fazem Diferente Das Outras |

1 – Inspiram-se quando menos se espera  Nunca sabem quando a próxima grande ideia chegará. Ela apenas chegará, da maneira menos esperada e no momento menos esperado. 2 – Sonham o tempo inteiro Elas estão aqui, mas não estão. Durante uma conversa podem viajar a qualquer momento. É normal, não se zangue com elas. 3 – Ficam aborrecidas facilmente Precisam  sempre  de um estímulo para manterem-se ativas. Elas não irão focar-se naquilo que não gostam, você pode chamar de TDAH ou qualquer coisa, mas isso é apenas parte de sua genialidade. 4 – Observam o mundo com os olhos de uma criança Observar o mundo como uma criança pode ser, muitas vezes, a chave do  sucesso . 5 – Também falham, mas não desistem, pelo contrário irão tentar novamente A vida não é fácil para ninguém, nem menos para as pessoas criativas. Falhas e quedas são inevitáveis, mas somos nós que decidimos se seremos derrotados ou se utilizaremos o obstáculo para nos fortalecermos ainda mais. As